Linhas de Pesquisa

Desde 2017, o Programa se estrutura em 7 Linhas de Pesquisa, conforme abaixo:

  1. Escravidão e História Atlântica;
  2. História dos Movimentos e das Relações  Sociais;  
  3. História Política;
  4. História da Cultura;
  5. História, Cultura e Poder;
  6. História da Ciência e da Técnica;
  7. Cultura Material e visual, historiografia e documentação.

As Linhas de Pesquisa reúnem pesquisadores de distintas áreas, estimulando  investigações articuladas de forma transversal, buscam  temas, questões e fontes. Tal perspectiva visa a ampliação do campo de estudos, abertura teórica e constituição de novas temáticas no âmbito da História Social.

Cada Linha de Pesquisa conta com um Coordenador e promove atividades voltadas aos seus interesses específicos. As Linhas servem de eixo orientador na organização da disciplina Tópicos Especiais (criada em 2020) e de Seminários de Pesquisa, que ocorrem anualmente, envolvendo orientadores e orientandos. São eventos em que os alunos apresentam  resultados parciais das pesquisas de Mestrado e de Doutorado,  cujo debate promove o adensamento do trabalho em questão.

Para dar integração à transversalidade das linhas, destaca-se a importante atuação dos Laboratórios vinculados ao Programa de História Social.

 

 

 

ESCRAVIDÃO E HISTÓRIA ATLÂNTICA

A linha de Escravidão e História Atlântica considera o Atlântico como um conjunto histórico formado pelas conexões entre suas distintas partes (Europa, África e América), e entende a escravidão e seus desdobramentos como um elemento central para a conformação desse mundo. As pesquisas desenvolvidas tratam de temas relativos à configuração das identidades culturais e étnicas, aos modos de vida e de pensar dos grupos submetidos às diásporas atlânticas, aos processos de dominação e à construção dos campos discursivos que os justificaram e legitimaram, às intersecções entre o mundo do trabalho e o da cultura; em resumo, à circulação de homens, produtos e ideias no espaço atlântico. 

1.    Adone Agnolin (+HC)
2.    Carlos Alberto de Moura Ribeiro Zeron  
4.    Carlos de Almeida Prado Bacellar
3.    Daniel Strum
4.    Dario Horácio Gutierrez (+HC)
5.    Maria Cristina Cortez Wissenbach
6.    Maria Helena Pereira Toledo Machado
7.    Marina de Mello e Souza
8.    Rafael de Bivar Marquese (COORDENADOR)

Voltar

 

 

 

 

HISTÓRIA DOS MOVIMENTOS E DAS RELAÇÕES SOCIAIS

A linha de História dos Movimentos e das Relações Sociais congrega as pesquisas caracterizadas pela recuperação histórica da dinâmica social que envolve os diferentes segmentos, setores, grupos ou classes. As pesquisas desenvolvem-se por cortes cronológicos variados que priorizam tanto as abordagens de caráter mais geral como as mais recordadas e particulares. Destacam-se nesta linha os estudos sobre as formas de resistência de camponeses, minorias étnicas e culturais e os conflitos de classe.


1.    Júlio Cesar Magalhães de Oliveira (COORDENADOR)
2.    Laura de Mello e Souza
3.    Leila Maria Gonçalves Leite Hernandez
4.    Maria Aparecida de Aquino
5.    Pedro Luís Puntoni
6.    Robert Sean Purdy
7.    Zilda Márcia Grícoli Iokoi

Voltar

 

 

 

 

HISTÓRIA POLÍTICA


A linha de História Política está referenciada nas propostas teóricas da nova história política, articulando projetos que abrangem as múltiplas dimensões da esfera do político, assim como os entrelaçamentos da política com as relações sociais e econômicas. As pesquisas desenvolvidas na linha incorporam as questões referentes à cultura política, às imbricações entre ideias e práticas, às ideologias e imaginários, e às significações de símbolos, mitos e utopias. Agrega, igualmente, estudos voltados para a matizada configuração de identidades, direitos, cidadania e memória, sem desconsiderar a natureza institucional das práticas políticas. Além disso, estimula a discussão sobre problemas teórico-metodológicos, a natureza dos objetivos e o uso das fontes, suscitados pelas novas abordagens nesse campo.


1.    Angelo de Oliveira Segrillo
2.    Carlos Alberto de Moura Ribeiro Zeron 
3.    Cecília Helena L. De S. Oliveira
4.    João Paulo Garrido Pimenta (COORDENADOR)
5.    Jorge Luis da Silva Grespan
6.    Luis Bernardo Murtinho Pericás
7.    Maria Aparecida de Aquino
8.    Maria Luiza Tucci Carneiro
9.    Miriam Dolhnikoff
10.    Monica Duarte Dantas
11.    Norberto Luiz Guarinello

Voltar

 

 

 

 

HISTÓRIA DA CULTURA


A linha de História da Cultura compreende, em sentido amplo, os fenômenos de representação enquanto práticas e formações de ideias e teorias. Há grande variedade de enfoques e perspectivas, nelas se incluindo: os estudos de dinâmica cultural (como os enfoques que privilegiam processos de circulação cultural, aculturação, transculturação, sincretismo); e os estudos mais interdisciplinares e transdisciplinares, que exploram sobretudo as relações entre história e literatura, por um lado, e história e antropologia, por outro. Aqui se incluem também os estudos de teoria e filosofia da história e de história da cultura intelectual e das ideias. 

1.    Adone Agnolin
2.    Anita Waingort Novinsky
3.    Carlos Roberto Nogueira
4.    Dario Horácio Gutierrez + EHA
5.    Eduardo Natalino dos Santos - COORDENADOR
6.    Elias Thomé Saliba
7.    Flávio de Campos
8.    Francisco Cabral de Alambert Junior (+CP) 
9.    Henrique Soares Carneiro
10.    José Antonio Vasconcelos
11.    José Geraldo Vinci de Moraes
12.    Júlio Pimentel
13.    Maria Luiza Marcilio
14.    Maria Odila Leite Silva Dias
15.    Miguel Soares Palmeira
16.    Raquel Glezer
17.    Sara Albieri

Voltar

 

 

 

 

HISTÓRIA, CULTURA & PODER


Esta Linha de Pesquisa engloba projetos que se realizam a partir das articulações entre os domínios da história política, da história cultural e da história da arte, mas que apontam para um novo enfoque que vai além da abordagem e recortes tradicionalmente consagrados por estas matrizes, superados pelo hibridismo de novos objetos e problemas. A chamada “História Social inglesa” pautou as complexas articulações entre consciência, experiência, produção cultural e luta por hegemonia na sociedade, ampliando o uso muitas vezes restritivo da ideologia como categoria historiográfica. A história política renovada , por outro lado, propõe uma abordagem do político para além dos limites institucionais que formalizam as relações de poder (Estado, governo, sistema de partidos, movimentos político-ideológicos). A história das relações de gênero constituiu-se também enquanto âmbito investigativo e reflexivo atravessado pelas preocupações atinentes ao cultural e às relações de poder. Estas e outras vertentes teóricas apontaram para a necessidade de constituição de objetos e problemas situados no entre-lugar da história política e da história cultural tal como se delimitaram no debate historiográfico contemporâneo. Alguns exemplos: a história intelectual e dos intelectuais, as instituições culturais que operam no âmbito de poder e da luta política, o engajamento artístico-intelectual, propaganda, as políticas culturais, os movimentos socioculturais e suas identidades políticas. A partir destas abordagens e objetos, a Linha de Pesquisa reúne pesquisas que englobam as várias dimensões da produção cultural atravessada pelos jogos da política, reconhecendo que as desigualdades internas às sociedades e as assimetrias de poder entre  países e regiões implicam em dimensões culturais tanto no exercício da dominação política quanto da resistência.  


1.    Ana Paula Torres Megiani
2.    Ana Paula Tavares Magalhães Tacconi
3.    Elizabeth Cancelli 
4.    Francisco Cabral Alambert Junior
5.    Francisco Carlos Palomanes Martinho
6.    Gabriela Pellegrino Soares (COORDENADORA)
7.    Iris Kantor (+CVHD)
8.    Marcelo Cândido da Silva
9.    Marcos Francisco Napolitano de Eugênio
10.    Maria Helena Capelato
11.    Mary Anne Junqueira
12.    Maurício Cardoso
13.    Stella Maris Scatena Franco

Voltar

 

 

HISTÓRIA DA CIÊNCIA E DA TÉCNICA


A linha de História da Ciência e da Técnica entende a ciência como um processo de conhecimento em permanente construção, ensejando uma linha de estudos que busca problematizar e compreender historicamente as ciências, em especial quando interpenetradas por questões epistemológicas. A história das ciências assim entendida insere-se nas diversas correntes da historiografia social, econômica e das ideias, além de se inter-relacionar com a filosofia, sociologia, antropologia e o ensino das ciências, campos que aumentam as possibilidades interpretativas da matéria e sua propensão natural à interdisciplinaridade. A partir dessas perspectivas discutem-se problemas recorrentes tais como as relações entre as ciências, técnica e tecnologia, as permanências e revoluções no seu desenvolvimento histórico, a noção de progresso, a existência ou não de ciências locais e os diferentes contextos ideológicos e culturais das ciências e das técnicas.

1.    Francisco Assis de Queiroz
2.    Gildo Magalhães dos Santos Filho
3.    Maria Amélia Mascarenhas Dantes
4.    Márcia Regina Barros da Silva  (COORDENDORA)
5.    Shozo Motoyama

Voltar

 

 

 

CULTURA MATERIAL E VISUAL, HISTORIOGRAFIA E DOCUMENTAÇÃO


Reunindo projetos que partem de diferentes posturas teóricas acerca dos objetos de que se ocupa, além de estimular diversas modalidades de abordagem (jurídica, antropológica, política, sociológica e cultural, entre outras) pelas quais podem ser compreendidos em suas inter-relações com a história, a Linha de Pesquisa tem três eixos principais de reflexão: 1) as dimensões materiais e visuais da sociedade, em que se inclui o amplo processo de produção e apropriação de espaços, artefatos e imagens; seus modos de funcionamento; os significados que lhes são atribuídos; e as transformações a que se submetem ao longo do tempo; 2) a produção historiográfica, cuja análise poderá recair sobre um ou mais autores; sobre determinada tendência ou instituição acadêmica; sobre as diversas visões a propósito de um mesmo acontecimento ou fenômeno; sobre manuais didáticos e obras de divulgação etc; 3) os documentos, em sua condição de representar, testemunhar e ilustrar realidades e processos de espectro variável; de viabilizar o funcionamento de instituições, a pesquisa científica e a criação de monumentos; de mobilizar políticas patrimoniais; e de assumir distintas modalidades de custódia (arquivos, bibliotecas, centros de memória, museus etc.) e tratamento documental. 


1.    Ana Maria de Almeida Camargo
2.    Antonia Terra de Calazans Fernandes + HC
3.    Heloísa Maria Silveira Barbuy
4.    Heloísa Liberalli Bellotto
5.    Iris Kantor (COORDENADORA)
6.    Marcelo Aparecido Rede
7.    Marcos Antonio da Silva
8.    Maria Cristina Correia Leandro Pereira
9.    Maria Aparecida Borrego 
10.    Paulo Iumatti + HC
11.    Solange Ferraz de Lima
12.    Vânia Carneiro de Carvalho

Voltar